São Francisco dará bicicletas elétricas gratuitas a entregadores

    |Fonte: Automotive Business|

    35 profissionais de delivery serão contemplados com veículos e equipamentos

    A prefeitura de São Francisco (EUA) vai iniciar em setembro um programa que doará bicicletas elétricas gratuitas a alguns entregadores de delivery. O programa das chamadas e-bikes, que custará US$ 559 mil aos cofres públicos, será pago por um órgão estadual, a Comissão de Energia da Califórnia.

    Serão contemplados 35 profissionais de aplicativos, como Uber Eats, Doordash e Instacart. Eles serão selecionados de acordo com critérios ainda não definidos, mas “com foco em igualdade social”, de acordo com o jornal “SFX Examiner”,. Os participantes receberão as bicicletas elétricas gratuitas e também capacetes, cadeados, mochilas de carga, casacos de chuva e outros acessórios sem nenhum custo e sem necessidade de devolução. Além de tudo isso, eles passarão por treinamento e ganharão seguro para os veículos, também gratuitamente.

    Bicicletas elétricas gratuitas para tirar carros das ruas

    A iniciativa tem vários objetivos. O mais importante é coletar dados que comprovem que realizar entregas com motos é mais eficiente do que com carros. Aqui no Brasil e em outros países, já é comum que os entregadores de aplicativo sejam quase todos usuários de motos ou bicicletas, mas, em São Francisco, 75% das entregas são feitas com automóvel.

    Os dados serão coletados entre os contemplados e depois comparados com outros levantamentos feitos a partir de entregadores que usam carros. “O ponto que queremos provar, em termos de negócios, é que você consegue ganhar mais dinheiro por milha por entrega em uma e-bike do que em um carro”, disse ao jornal Lowell Chu, gerente do programa no Departamento de Meio Ambiente da cidade.

    O programa de bicicletas elétricas gratuitas foi criado a partir de um estudo de 2020 realizado pela Universidade da Califórnia que apontou que um terço dos entregadores de dois apps (Amazon Fresh e DoorDash) são beneficiários de algum programa de assistência social e 14% deles não tem plano de saúde. Ou seja: muitos deles passam por necessidades nos EUA.

    Redução de custos

    O estudo também apurou que quase metade da renda desses profissionais vai para gastos com o veículo e que um em cada cinco entregadores do DoorDash ficou com saldo negativo após colocar os custos com combustível e manutenção na conta.

    Além disso, 70% dos entrevistados disseram que estão abertos a fazer entregas com motos e bicicletas elétricas. Mas há um ponto negativo: dos trabalhadores que já fazem entregas com bicicletas, 70% disseram que se sentem inseguros enquanto trabalham.