Encarecimento do etanol anidro pressiona o preço da gasolina

    [Fonte: Poder 360]

    Proporção na gasolina se mantém em 27% desde 2015. Conselho que decidia o teor foi extinto pelo governo federal, que não tem planos de alterá-lo

    Frequentemente atribuída à cotação do dólar e aos reajustes dos preços nas refinarias, a alta da gasolina também tem outro componente de peso: o etanol anidro. A proporção do produto na gasolina é de 27% desde 2015.

    Por lei, o governo federal poderia reduzi-la para até 18%, mas não o faz e, de acordo com o Ministério de Minas e Energia, não tem planos para fazê-lo. De janeiro até agora, o preço do anidro subiu 58%, acima da gasolina pura (50,3%) e da cotação do petróleo (39,5%) e bem mais do que a própria variação do dólar, de 3% nesse período.

    O governo poderia reduzir o preço da gasolina nos postos diminuindo a proporção do anidro. Mesmo com uma contribuição pequena, mostraria que está fazendo todo o possível para reduzir a inflação. Para isso, precisaria enfrentar o lobby do agronegócio. Segundo o IBGE, de janeiro a agosto deste ano a gasolina ficou, em média, 31% mais cara em todo o país.

    A decisão de alterar a proporção do anidro na gasolina cabia ao Conselho Interministerial do Açúcar e do Álcool, vinculado ao Ministério da Agricultura, Agropecuária e Abastecimento. Em 2019, porém, esse e outros conselhos foram extintos por decreto do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Com isso, a definição sobre o teor está uma espécie de limbo regulatório. O Ministério de Minas e Energia disse ao Poder360 que a tarefa passará a ser do Conselho Nacional de Política Energética.

    A pressão do etanol sobre a gasolina tende a se acentuar com a queda da safra atual (2021-2022) em relação à anterior. O período de safra da cana-de-açúcar é de abril a março. De acordo com Antonio de Pádua Rodrigues, diretor técnico da Unica (União da Indústria de Cana-de-Açúcar), a redução na colheita da cana-de-açúcar deve ser de 75 milhões de toneladas. “O Brasil deve sair de 605 milhões de toneladas, em 2020, para menos de 530 milhões de toneladas nesta safra. A primeira condição foi a falta de chuva por um longo período. Depois, nos tivemos 3 geadas consecutivas no mês de julho. Isso fez com que a alternativa das empresas fosse cortar essa cana [para reduzir as perdas]”, disse Rodrigues, acrescentando que em agosto houve muitos focos de incêndio, alguns criminosos, nas plantações, o que tende a reduzir ainda mais a produção.

    O Brasil é um dos principais produtores de açúcar do mundo. Com a redução da oferta, além da melhor qualidade em relação à de outros países, o produto tem se valorizado no mercado internacional. Em agosto de 2020, a tonelada custava R$ 1.505. No mês passado, o preço era R$ 1.783. Alta de 18%. Nesse cenário, as exportações têm crescido. Na última safra, o incremento do volume exportado foi de quase 63% em relação à anterior. O Poder360 apurou, no entanto, que os fatores climáticos adversos deste ano devem impactar, ao final da safra, em abril de 2022, mais a produção de açúcar do que de etanol.

    Segundo a Unica, em função da safra menor, o Brasil deixará de produzir 3 bilhões de litros de etanol hidratado entre 2021 e 2022. Uma queda de 17%. Também reduzirá a exportação do etanol em 1 bilhão de litros. O remanejamento da produção será feito para atender à obrigatoriedade dos 27% do anidro na gasolina. “A produção do anidro está tendo um aumento significativo. Está em torno de 25% a mais em relação ao ano passado. Quando terminar a safra atual, o incremento terá sido de 10% a 12% em relação à passada. A opção do setor foi priorizar a sua produção, deixando que o mercado busque o equilíbrio para o hidratado”, afirmou Rodrigues.