Como as seguradoras usam tecnologia e criatividade para se reinventarem

    |Fonte: Automotive Business|

    Startups inovam com peças “genéricas” e até telemetria para conquistar clientes e aumentar receita

    Até pouco tempo atrás, “inovação” era uma palavra rara no mundo das seguradoras. Tudo mudou com o surgimento das insurtechs, startups voltadas ao mercado de seguros com foco no aprimoramento da experiência dos clientes e em tecnologia. Em meio a um cenário de mudanças, o modelo tradicional das seguradoras de automóveis também sofreu grandes transformações.

    Isso ocorreu graças a startups como a Justos. A empresa nasceu por conta da vontade de três sócios que se conheceram no Vale do Silício (na Califórnia, EUA) e tinham o desejo de empreender.

    “Fizemos um ‘brainstorm’ e levantamos mais de 100 ideias. Nós queríamos algo em fintech e concluímos que o mercado de seguros passava por um momento parecido com o de varejo de bancos dez anos atrás, quando surgiu o NuBank. Ou seja, players tradicionais, concentração alta e penetração baixa, além do órgão regulamentador começando a abrir o mercado. Esse cenário era muito oportuno e decidimos entrar nesse ramo”, conta Dhaval Chadha, um dos sócios da empresa.

    Dirige bem, paga menos

    O maior diferencial da Justos está na precificação do serviço. Enquanto a maioria das seguradoras usa critérios como gênero e idade do condutor principal, a startup analisa o comportamento do motorista ao volante para determinar o valor da apólice.

    Após baixar o aplicativo da seguradora, o cliente preenche um cadastro e começa a dirigir. O teste de direção consiste em uma jornada de 80 quilômetros, na qual vários dados da condução são coletados. A startup faz a avaliação por meio de telemetria, e analisa comportamentos como velocidade, acelerações, frenagens, a maneira como faz curvas e até se a pessoa usou o telefone celular enquanto dirigia.

    A Justos diz que oferece preços até 30% menores em relação à concorrência, mas o desconto pode ser ainda maior.

    “Levamos em consideração o comportamento do motorista em vez de outros critérios porque isso é um tipo de discriminação. Para a maioria das seguradoras, se você é homem, jovem e mora em um bairro de classe alta, você pode apresentar um risco maior. No nosso caso, se você dirige bem, é possível chegar a até 60% de desconto em comparação com o preço do modelo tradicional”, afirma Dhaval.

    Escolhendo o que (e como) usar

    Alguns conceitos de outros países também foram trazidos para cá, e já fazem bastante sucesso. Da África do Sul veio a inspiração para a criação do Seguro Auto Pop Usebens, que realiza a cotação em até três segundos para apontar qual cobertura atenderá às necessidades mensais do cliente. Com isso, ele ganha bastante autonomia na hora de decidir quanto vai pagar pela proteção.

    “Lá atrás nós identificamos uma oportunidade de oferecer produtos flexíveis e modulados de acordo com a necessidade do consumidor. Caso você não queira uma cobertura de terceiros no valor de 200 mil reais, por exemplo, você pode estimar o preço da mensalidade”, afirma Marcella Verdi Zago, co-fundadora da Usebens.

    Além da flexibilidade nos custos, o segurado também pode economizar em caso de sinistro. O Seguro Auto Pop oferece peças novas e originais habilitadas pelas montadoras, mas sem a chancela da fabricante do veículo – ao contrário de outras modalidades de Seguro Auto Poplar, que usam peças de segunda mão e/ou recondicionadas.

    “É um modelo parecido com o dos remédios genéricos, e pode representar uma diferença importante na conta final”, define Marcella.

    O segurado também pode definir qual será a quilometragem máxima atendida pelo serviço de reboque em caso de pane ou outro problema que exija remoção do veículo. Atualmente, é possível optar pelas modalidades de contratação de 100 km, 150 km, 300 km e ilimitado.

    Já no caso de necessidade de veículo reserva, o Auto Pop disponibiliza contratação pelos prazos de sete, 15, 20 e 30 dias

    O modelo de negócios da Usebens teve aceitação muito boa no mercado. A empresa, que faturou mais de R$ 77,8 milhões em 2021, hoje soma 9 milhões de segurados no território nacional, e mais de 90 parceiros estratégicos responsáveis pela distribuição dos produtos pelo país. Para a comercialização do Seguro Auto, existe o auxílio de especialistas de mais de 600 corretoras parceiras.